domingo, 29 de dezembro de 2013

Ano novo, vida nova!!!!




Olá meus queridos amigos!!!!

Bom, este ano de 2013 foi um ano relativamente bom, apesar de alguns acontecimentos que infelizmente aconteceram, já que meu esposo ainda não se encontra em recuperação.
Acredito que na vida de todos existem bons e maus momentos, ninguém é feliz ou infeliz todo tempo, e posso dizer que tive vários momentos felizes este ano, e agradeço a Deus por estes momentos tão preciosos.
Neste ano perdi, mas também ganhei...Deus é sábio em tudo que faz!
Perdi meu pai este ano em decorrência da doença do Alzheimer, mas ganhei uma neta!!!
Isto mesmo meus queridos amigos, minha filha esta grávida de 4 meses e meio, e estamos muito felizes com este presente que Deus está concedendo a nossa pequena família.
Estou muito feliz, pois neste ano que vai começar teremos uma vida nova em nosso lar, uma criança é sempre uma benção, e com ela vem nossa esperança de que dias melhores estão por vir.
Tenho fé que neste ano que vai começar, nossas vidas tomarão rumos diferentes, não crio expectativas sobre a recuperação de meu marido, pois sei que criar expectativas é certamente uma coisa que nós, familiares de adictos, não devemos fazer, pois com certeza nos decepcionaremos.
Ano novo, vida nova...Espero também que possamos renovar nossas vidas e possamos nos transformar em pessoas melhores.
Acredito que para maioria de familiares de adictos, esta é uma época que nos deixa apreensivos, geralmente a maioria das pessoas abusam das bebidas alcoólicas nesta época e até alguns adictos que estavam limpos por bastante tempo, acabam sucumbindo as tentações e o final da história todos nós já sabemos..''RECAÍDAS''.
Vou compartilhar com vocês parte de um texto subtraído do face de uma querida amiga adicta que se encontra em recuperação....Darléa Zacharias:

''Reza a lenda que, do final de ano até o carnaval, é passada uma "peneira", uma espécie de "pente fino", e apenas aqueles que estiverem totalmente no propósito, permanecerão limpos. Em tantos anos frequentando reuniões, vejo que isto não deixa de ser uma verdade... Muitos embarcam em uma neurose, morrem de medo destas datas, e acabam mesmo usando e perdendo o tempo limpo, e às vezes vezes, também a vida. Eu, particularmente, no meu início de recuperação, nestas datas, preferia ficar na minha, procurava estar espiritualizada e irmanada em ambientes que não colocassem a minha recuperação em risco. Não tinha e não tenho mais como ficar me "testando"...
O mais importante disso tudo, é ficarmos atentos para não cairmos nas armadilhas destas datas. É só por hoje, e data nenhuma vale a dor da volta ao uso. Essas datas passam, mas a recuperação, fica, e ela é a coisa mais importante que temos em nossas vidas!''
Infelizmente nada podemos fazer, não podemos modificar o outro, apenas podemos modificar nossas vidas e o que não cabe a nós entreguemos nas mãos do Amantíssimo Deus!!A recuperação depende única e exclusivamente deles.

Recebi vários emails e mensagens no face de amigas e esposas, dizendo que seus maridos adictos estavam recaídos por causa das festas de final de ano, algumas completamente apavoradas e perdidas sem saber o que fazer. Me sinto tão impotente quando recebo emails com perguntas do tipo: O que eu faço???Como devo agir??



Não tenho a respostas para estas perguntas. Não temos nada a fazer a não ser ama-los e aceita-los como são, ajuda-los em sua luta para se manter em recuperação se caso eles quiserem, caso contrário só nos resta impor limites, orarmos e entregarmos nas mãos de Deus meus queridos.
O que eu posso dizer a vocês, é que cuidem de vocês em primeiro lugar. Cuidem de suas próprias recuperações, pensem mais em vocês, parem de sofrer por antecedência e não tentem mudar o que não pode ser mudado, soltem a corda....


Ser livre é não ser escravo das culpas do passado nem das preocupações do amanhã. Ser livre é ter tempo para as coisas que se ama, É cuidar de você. Acima de tudo, ser livre é ter um caso de amor com a própria existência.
Este ano foi um ano que considero, que progredi em relação a minha recuperação, são pequenas coisas, pequenas atitudes, que fazem muita diferença..
Sem dúvidas ainda tenho muito o que aprender, pois a recuperação do codependente é lenta, um passinho de cada vez, mas agradeço a Deus por cada conquista e cada progresso que conquistei em minha vida.
Quem me conheceu a alguns anos e quem me vê hoje, pode ver claramente a transformação e os sinais de recuperação. Claro que tenho meus momentos difíceis, mas todos os tem.
A diferença está em como eu reajo nestes momentos difíceis, antes me desesperava e cometia muitas insanidades (quem acompanha meu blog sabe da história) Hoje procuro manter a serenidade em meio as tribulações e momentos difíceis causados pela adicção de meu familiar adicto.
Estou longe de dizer que as recaídas dele não me afetam, estaria mentindo se o fizesse.
Mas consegui encontrar uma maneira de não deixar que as atitudes e escolhas dele afetem tanto a minha vida como antes, isto aprendi com todos vocês amigos queridos, devo a vocês grande parte de minha recuperação.

Hoje tenho consciência que não causei, não sou culpada e não posso curar.

Não é nada fácil, ver quem nós amamos escolher caminhos errados, que tem consequências trágicas, mas temos que respeitar as escolhas do outro. Entendam bem, temos que respeitar, mas não somos obrigados a conviver com a pessoa caso nem ela mesma possua compromisso com seu próprio bem estar e recuperação.
Eu sempre falei ao meu marido que ficaria ao seu lado enquanto ele não desistisse de lutar pela sua recuperação, e foi assim durante estes 15 anos de adicção, ele sempre lutou e nunca desistiu, foi internado várias vezes, fez tratamentos médicos, logrou períodos longos de sobriedade, buscou ajuda nas igrejas, enfim...Sempre o vi lutar para se manter limpo.
Infelizmente depois de um grave problema particular que afetou profundamente toda nossa família, ele não tem conseguido manter seu propósito de recuperação.
O grande problema é que ele insiste em trocar a droga de sua preferencia, pelo álcool.
Vocês bem sabem que fatalmente esta atitude sempre leva a recaída, ele pode até conseguir beber alguns dias sem procurar a droga de preferência, mas fatalmente ele sempre acaba recaindo.
Como ele tomou esta postura de beber quase que diariamente, eu não sou obrigada a aceitar conviver com ele com suas escolhas erradas.
Por isso já conversamos e decidi, se ele não decidir fazer um tratamento e entrar de fato em recuperação, deixarei ele viver só, com suas escolhas ...
Tenho fé que com a chegada de nossa netinha ele tenha um ''Despertar espiritual'' e decida prosseguir com seu propósito de recuperação.
Apesar de tudo, tenho muito o que agradecer, pois neste natal, mesmo ele tendo bebido um pouco, ele esteve presente conosco, não sumiu como das outras vezes, posso dizer que tive um natal quase perfeito, pois passei pela primeira vez com minha mãe, irmã e sobrinha. Quase perfeito porque, perfeito seria se ele estivesse em recuperação e minha filha estivesse também conosco. Minha filha não quis ir passar o natal com a gente na casa de minha mãe, devido a vários traumas que ela carrega ao longo dos anos, principalmente nestas datas festivas, onde todas as comemorações é regada a muito álcool...Preferiu ficar em casa sozinha, do que ir e presenciar uma possível recaída do pai...A codependencia, as vezes deixam sequelas irreversíveis e algumas muito difícil de se esquecer...
Eu quero agradecer a todos amigos do coração, por cada palavra, cada mensagem no face, cada email recebido com mensagens de apoio nos momentos difíceis, vocês são muito importantes em minha vida e em minha recuperação. Amo cada um de vocês incondicionalmente.

Quero desejar a todos um feliz 2014 com muita paz e serenidade a todos.

Que o novo ano não seja como o outono da vida onde as folhas caem deixando apenas lembranças de dias bons e ruins, mas que seja como a primavera da vida que produz frutos e dos frutos sementes onde podem ser plantadas a cada dia e colhidas a cada amanhecer.

Para sonhar um ano novo que mereça este nome, você, meu querido(a) amigo(a), tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.


Às vezes esperamos iniciar vida nova no Ano Novo, no entanto, nem sempre é isso que ocorre, pois ano novo é continuidade de um ciclo que não traz vida nova, mas com certeza trás renovação. Renovação é poder construir sobre experiências, erros e acertos do passado, o que nos poupa tempo de aprendizado, nos adianta na caminhada evolutiva. Portanto, receba o novo ano com alegria e agradeça a nova oportunidade que se apresenta, cheia de possibilidades para evoluir, construir um mundo melhor e ser mais feliz.







Beijos no coração!!!

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

RECAÍDAS....






Bom dia queridos(as)!!!

Bom, por aqui esta tudo bem na medida do possível, estou calma, procurando manter minha serenidade mesmo em meio a este tsunami que sabemos que é a recaída,estou triste sim, não tem como evitar este sentimento em uma situação destas, como relatei em meu post anterior meu esposo recaiu, isto foi antes de ontem e até agora ele não apareceu, não ligou e nem sinal dele até agora. Também não liguei uma única vez, prefiro assim, pois de nada adiantaria ligar, é decepção na certa, ou ele já vendeu o celular, ou estará desligado na bendita caixa postal, prefiro me polpar deste sofrimento.
Preciso ficar calma e continuar com minha vida, pois tenho minha filha, também tenho que pensar em mim, cuidar de mim, coisa que antes não fazia, mas hoje com a ajuda de vocês venho aprendendo um pouquinho a cada dia.
Em outra época, estaria me descabelando, chorando, teria ido atrás, teria andado feito doida a cidade inteira a sua procura, cometido varias insanidades para tentar traze-lo para casa, mas hoje eu escolho ficar em minha casa em paz, e entregar nas mãos de Deus uma causa que não é minha e que eu não posso resolver...Hoje eu escolho cuidar de mim e de minha filha, mesmo em meio a este furacão passando em nosso lar, tenho certeza que vai passar, tudo passa.
Talvez mais tarde eu vá ao shopping que inaugurou aqui em minha cidade com minha filha para nos distrairmos um pouco.
Estava lendo um texto sobre recaídas que achei muito interessante e gostaria de dividir com vocês!!
RECAÍDAS

Gostaria muito que esse texto atingisse um número maior possível de leitores em especial os dependentes de álcool e drogas.

Todo dependente químico tem um processo de maturidade e inteligência emocional deteriorado pelo consumo de substâncias. Em alguns casos após tanto tempo consumindo essas substâncias; a relação emoção/maturidade pode trazer até dúvidas quanto à possibilidade de ‘’entrar ou não em recuperação’’. E de adquirir melhoras nessa mesma relação!
Se formos considerar as seqüelas ou co-morbidades adquiridas com o consumo, ou seja; durante o uso; a busca pela melhora não deve ocorrer em relação apenas a dependência química, mas sim em várias áreas da vida caso seja diagnosticada a co-morbidade; o que não é fácil tarefa!
Principalmente se tais co-morbidades necessitarem de medicamentos.
Existem casos em que os medicamentos auxiliam o tratamento dos transtornos, nunca a dependência química; mas sim as co-morbidades. Para a dependência química e sua recuperação a terapia também auxilia principalmente quando é elaborado e colocado em pratica um plano de prevenção à recaída.
Em outros casos não aponta para horizonte algum…
Não há entrelinhas na recaída. Não há duvidas quanto a esse processo.
Todo dependente químico deve estar atento ao processo de recaída!
Todo processo de recaída pode ser percebido, identificado, intervindo e eliminado.
Quando comento que gostaria que os maiores números de dependentes químicos pudessem ler este comentário; é porque eu estaria protegido de argumentos alheios que muitas vezes diz entender de dependência química, mas na verdade só o dependente conhece esse processo.
Infelizmente nem todos os dependentes químicos conhecem esse processo de recaída e sendo assim; provavelmente os que não conhecem seus processos, encontram dificuldades até os dias atuais para lidar com sua própria dependência e recuperação e as freqüentes recaídas acabam acontecendo.

O que gera sofrimentos.

Sofrem por acreditarem ‘’não terem mais jeito’’.

Sofrem porque os apoios ‘’se foram’’ ou; ‘’estão indo’’.

Em muitos casos esses apoios ‘’se vão’’ com razão já que; não dá para agüentar uma vida toda sofrendo pelo egoísmo, vicio, ou desleixo alheio e ficar ao lado de um dependente químico já esgotou todas as forças e energia e limites possíveis.

Gostaria de informar aos senhores pais, filhos, esposas e esposos, irmãos, etc; que deixassem de se culpar pela dependência alheia. Bem se como se vangloriar da recuperação de cada individuo.

Digo isso pelo fato de um familiar desinformado poder ‘’sufocar’’ um dependente químico, ou qualquer outro membro da família fazer o mesmo. Ou sofrer com esse ‘’sufoco’’.

As acusações e justificativas que um adicto/alcoólico encontra para não assumir suas responsabilidades pelo uso servirão apenas para maior insegurança, medo e mais irresponsabilidade.

Algumas soluções que podem ajudar é o fato de respeitar a dependência química de seu ente querido; e entender que como membro familiar algumas alterações irá de fato ocorrer em seu dia a dia, em seus costumes, em sua vida!

Por exemplo; não é recomendado bares, festas, muitas vezes restaurantes para alcoólicos.

Também sugere-se que não se faça consumo de doces que contenham licor, rum, vinho, champagne, etc.

Ao dependente pede-se em ocasiões como essas; muita franqueza caso haja algum incomodo sobre quaisquer situações que lhe traga medo, insegurança, culpa, vergonha, euforia. É preciso pedir ajuda.

Não se trata de uma questão de orgulho, vaidade mas sim de humildade e aceitação.

Pedir ajuda pode ajudar um dependente químico.

Aos dependentes químicos com um grande numero de internações, sugiro uma maior reflexão sobre o quanto seu desejo em continuar se deteriorando.

E sobre a PAZ que a família espera ter em relação a sua dependência/co dependência.

Como eu disse, as co-morbidades são difíceis de serem diagnosticadas, sobretudo a um dependente químico.

Mas o próprio dependente químico sabe que sua hora deve chegar: hora de parar, de pedir ajuda, de parar com o consumo, de morrer, enlouquecer, ir preso…

São tantas questões a serem analisadas…

Continuemos estudando pois estamos obtendo sucesso com a salvação de tantas vidas!

Em alguns casos as dificuldades são maiores pelo meio em que se vive; e em alguns casos; vive-se em família.

Viver é bom!

Pensar é fundamental para saber se viver realmente é bom!!

Para mim uma coisa é bastante certa.

Viver necessita esperança, prosperidade, perseverança. E pode ser uma bela oportunidade de sair deste mundo com respeito e dignidade.

Humildade é necessário inclusive para pensar; senão vou continuar acreditando que ‘’minha maneira de pensar’’ pode ser a melhor para o mundo.

Mesmo sabendo que não é…

E só sei que não é……porque me interessei por mim mesmo; ouvi o que me disseram, e coloquei Deus acima e a frente de tudo.

Tenha ou não co-morbidade, ou seqüela.

O uso e consumo de álcool/drogas será sempre um caminho para o inferno na vida das pessoas; que dirá de um dependente químico!!

Sem maturidade e inteligência emocional a recuperação pode ser ‘’manca’’, e como uso as chances de tudo que é ruim, mal ou péssimo acontecer, é muito grande!!

Percebe porque é melhor pedir ajuda e parar com o uso?

Não percebe…?

Pergunte a quem ‘’está em recuperação’’ se pretende voltar ao uso de álcool/drogas?

Se a resposta for não, e não quiser perguntar a pessoa; pense!

E pense em seus ganhos com uso…afirmo sem te conhecer que o ganho com o uso, é covardemente menor que o ganho em viver sem drogas.

Pode pesquisar, procurar saber.

Agradeço por isso também.

A família tem papel fundamental neste processo.

O mal da sociedade é que algumas pessoas podem de fato achar que não têm nada a ver com isso.

Mas tem ! A não ser que não se preocupe com o amanha de seus filhos, netos; ou que vivam numa sociedade planetária; o que não ocorre com ninguém.

Ora formamos e somos membros da sociedade.

Não dá para fazer parte da sociedade vendo televisão, criticando seus noticiários e se colocando diferente das pessoas.

Como eu disse é bom pensar.

Na dependência química, na reforma tributária, na mudança e criação de novas leis…e olha o que vem sendo discutido nos dias atuais…..

Realmente causa impotência…

Não a todos, mas a alguns.

O que você realmente faz pelas pessoas? Pelo mundo? Por Deus?

Pelo próximo?

Pensa.

É pouco?

É suficiente?

Pense! Só o perseverante chega a vitoria.

Não há vitoria sem Poder Superior, Deus.

Não há espiritualidade sem humildade.

Como pode perceber, depende muito mais de nós, que assuntos como a dependência química, sexualidade, o trânsito, a política entre outros sejam modificados do que qualquer órgão do governo.

Basta ver os trabalhos feitos através de políticas publicas, e prevenção.

Basta conhecer como há clinicas que se tornaram fonte de ‘’dinheiro’’ e ao invés de tratamento oferecem aprisionamento de pessoas.

E como tantas outras agem sem aprisionar pessoas, mas que não oferece tipo de tratamento algum.

Sabe quem está interessado em fiscalizar tudo isso?

Sabe quem?

Por favor, me avise caso descobrir….

Para lhe ajudar não vá atrás de autoridades políticas, não perca tempo.

Atenção para as autoridades religiosas.

Os anônimos dão as melhores respostas.

Profissionais fazem o que podem ( os íntegros ).

A sociedade pode fazer algo mais importante que ficar vendo os noticiários da Tv, que geralmente apresentam um ‘’menu’’ de sofrimentos onde os noticiários de violência, geralmente têm suas origens no mundo do tráfico e do consumo de drogas.

Por Llysanias Pinho

Fiquem com Deus, muita paz e serenidade para todos nós....Amo todos incondicionalmente!!!!

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

RECAÍDAS E INTERNAÇÃO


Bom dia meus queridos(as)!!!
Bem, na última postagem eu falei sobre minha irmã, de como estava crítica sua situação, e como é difícil termos que esperar surgir uma vaga social para que possamos internar os adictos de nossa convivência, principalmente quando se trata de internação involuntária gratuita...
Graças a Deus ela foi internada esta segunda feira 25/11/2013 claro que, como era de se esperar, ela resistiu e ficou muito revoltada quando soube que iria ser internada em um Hospital psiquiátrico, um lugar onde ela já havia ficado internada uma vez e não obteve melhora alguma.
Neste hospital os internos ficam juntos com outros pacientes que tem problemas psicológicos e mentais, os adictos ficam todos juntos, homens e mulheres...
Outro ponto desfavorável é que o tempo que eles ficam internados é de apenas 1 mês na maioria dos casos, e nós sabemos que recuperação, principalmente para o dependente de Crack teria que ser no mínimo de 9 meses...
Bom, para tirar ela do risco imediato foi bom, afinal era a unica saída que tínhamos, tomara que neste tempo que ela irá permanecer lá dentro, ela se conscientize de que precisa resgatar sua vida e realmente decida entrar em recuperação.
Ela reconhecendo que é impotente perante ao vício, poderá até mesmo aceitar uma internação em uma clínica voluntária e assim tudo fica mais fácil, tanto para ela, como para a família.
Afinal, eu só acredito na recuperação quando a pessoa quer se recuperar, o desejo tem que partir do adicto, já aprendi que um adicto que não quer parar de usar, não vai parar de usar.
Pode ser analisado, aconselhado, persuadido, pode-de orar por ele, pode ser ameaçado, surrado ou trancado, mas não vai parar até que queira parar...
Por isso eu acredito que a internação involuntária é só em último caso quando não se há mais o que fazer e a pessoa está colocando a própria vida, ou a de outros em risco..Não vejo a involuntária como tratamento de ajuda na recuperação, vejo como uma paralisação por tempo determinado do uso da droga...Recuperação é outra história.
Bom agradeço a Deus por ela estar lá, pois é muito melhor que estar pelas ruas correndo risco de morte todos os dias, enquanto ela está lá, está em segurança e enquanto isso vamos bolando um plano b, c ,d ,e , para que quando ela saia de lá levemos ela direto para outro lugar para continuar o tratamento...
Bom queridos, na última postagem também relatei que meu marido estava sem fazer o uso do Crack, mas não estava limpo nem em recuperação, pois estava fazendo o uso da bebida praticamente todos os dias, é obvio que teria uma recaída, eu já tinha preparado meu espirito para isto, sabia que mais dia menos dia ele iria recair na droga de sua preferência.
Ontem trabalhamos até meio dia, pois o carro estava com um problema na direção hidráulica, e precisávamos parar para consertar.
Eu não gosto de julgar as pessoas mas, acredito que ele manipulou toda situação e planejou a recaída, já que o carro iria ficar na oficina até sexta-feira...Sabemos que quando eles querem usar são capazes de tudo,  mentem e manipulam criando situações, pensando que nos engana...
Desde cedo ontem eu estava agoniada com um pressentimento que algo iria acontecer, e quando eu me sinto assim, parece um aviso de Deus, ele sempre recai.
Quando ele saiu eu ainda avisei sobre o mal pressentimento, inclusive disse que se ele não voltasse que nem pensasse em passar na oficina para pegar o carro, pois eu iria na oficina proibir o mecânico de lhe entregar o carro...Ele ainda debochou de minha cara e disse: Se eu não voltar você pode ir lá e detonar eu para o mecânico, é lógico que vou voltar, você parece louca (como se ele nunca houvesse sumido antes) só não vai lá hoje porque daqui a pouco estou de volta e depois com que cara eu vou buscar o carro??? Você gosta de me humilhar mesmo... Resumindo, falou um monte, como se eu fosse a louca.
Bem como hoje amanheceu o dia e nada dele voltar, tive que realmente ir no mecânico avisar para que não entregasse o carro ao meu marido.
Deus sabe como eu odeio fazer isso, me sinto envergonhada, não por ele ser dependente químico, fico envergonhada pela situação que ele me expõe,  eu odeio ter que expor minha vida, principalmente para desconhecidos, mas neste caso foi preciso, pois ele é muito esperto e inteligente e rapidinho passaria a perna no mecânico se eu desse qualquer outra desculpa...
Enfim, até agora ele não deu sinal de vida, eu pretendo me mudar e como estarei perto de minha mãe, acredito que desta vez ele queira iniciar um tratamento em uma clínica, quero que ele vá por vontade própria, a grande preocupação dele é se internar e deixar eu e minha filha sozinhas...Quero ver agora que desculpa ele dará..
Bom, se ele continuar desta maneira e não quiser se tratar, não posso mais ajudar e nem permanecer ao seu lado sem me prejudicar, ou me afasto ou terei que interna-lo em uma clinica compulsória, como minha irmã..
Acredito muito e ainda tenho fé, apesar de estar tão cansada de toda esta luta, que um dia verei estas duas pessoas que amo em recuperação...Para Deus nada é impossível...
Amo todos vocês incondicionalmente...obrigado pela força e carinho que sempre me dão!!!





sábado, 16 de novembro de 2013

ATÉ QUANDO???





Bom dia meus queridos!!!

Hoje venho aqui falar de um assunto que causa muita dor e tristeza para maioria de familiares de dependentes químicos,principalmente aqueles que não tem condições financeiras de pagarem clinicas involuntárias para os adictos de sua família...
Até quando teremos que assistir a morte de nossos amados adictos sem poder fazer nada??
Sabemos que somos totalmente impotente perante a adicção de nossos adictos e que a recuperação depende somente deles...Mas e quando eles já não tem mais capacidade para responder pelos próprios atos e estão cometendo uma insanidade atrás da outra???
Sabemos que quando o assunto se trata de dependência química,não existe uma receita magica,o que pode dar certo para o adicto de sua família, pode não dar certo para o adicto da minha.
Não existem certezas,para cada um o processo de recuperação acontece de maneira diferente.
Quando se trata do Crack, infelizmente as noticias não são nada animadoras para o desespero dos familiares.
Segundo pesquisas realizadas, o índice de recuperação de um dependente de crack são baixíssimas, de 5 % a 10% dos dependentes conseguem se recuperar...



Segundo estudo do psiquiatra Ronaldo Laranjeira, da Universidade Federal de São Paulo, 30% dos dependentes de crack morrem antes de completar cinco anos de uso. “É um índice maior que o da leucemia e de outras doenças graves”, alerta. As causas dos óbitos vão além dos malefícios da droga no corpo — para conseguir saciar o vício, o usuário perde a noção do perigo e envolve-se constantemente em situações de alto risco. “Mais da metade dessas mortes foi decorrente de confrontos com traficantes ou policiais.” A destemida busca pelo crack é acarretada pelo seu elevado e incomparável potencial viciante. “É raríssimo encontrar alguém que o use apenas social e esporadicamente”, diz a psicóloga Fátima Padin, especialista em dependência química e proprietária da Clínica Alamedas, nos Jardins. “Quem prova uma vez fatalmente vai querer usar de novo e de novo e de novo.” A sujeição cega deve-se ao imediatismo de seu efeito.

NÚMEROS QUE ASSUSTAM...

Morte anunciada: Um em cada três usuários de crack morre nos primeiros cinco anos de consumo da droga, segundo estudo da Unifesp. Veja as principais causas da morte:

4,3% por afogamento ou asfixia

4,4% por hepatite B

8,7% por overdose

26,1% por causa da AIDS

56,5% por traficantes ou pela policia

Os dependentes que conseguem se manter em recuperação, podem levar anos para superar o vício e estão sujeitos a recaídas frequentes, mesmo depois de muito tempo sem usar a droga. Ainda não há tratamentos nem remédios que impeçam que o usuário volte a fumar as pedras. “Tem de haver uma vigilância diária até o fim da vida”, afirmam, em coro, os participantes de grupos de mútua ajuda, como os Narcóticos Anônimos.
E o lado da família??? A família que adoece emocionalmente com todos os problemas que adicção trás, e se tornam codependentes? Como se desligar emocionalmente com amor da pessoa que amamos quando estamos vendo e assistindo sua morte lentamente? Como conviver com esta dor?

CODEPENDENCIA A OUTRA FACE DO SOFRIMENTO!!

ASSISTA ESTE VÍDEO


Mesmo com a ajuda de grupos maravilhosos, como Nara-non, Amor exigente,Al-anon,Pastoral da sobriedade, entre Blogs e grupos de ajuda online, mesmo com toda esta ajuda que nós familiares de adictos temos para conseguirmos nos recuperarmos de todos os traumas,vícios e insanidades causados pela codependencia, quem consegue levar uma vida em tranquila e sadia tendo passado pela problemática da dependência química em sua família?
Quem consegue colocar a cabeça no travesseiro e ter uma noite tranquila de sono, sabendo que seu filho(a), marido ou esposa, namorado(a), amigo(a) ou até mesmo um ex namorado ou ex marido está nas ruas se drogando??? Perdoem-me....eu não consigo...jamais conseguirei. Não cometo mais as insanidades que cometia quando nem sabia o que era codependencia, mas definitivamente a angustia, preocupação, e medo me aterrorizam sim quando meu familiar está pelas ruas se drogando, por mais que eu fique em casa e continue com minha vida, é impossível desligar-me totalmente, e ficar tranquila neste momento.
Acredito que seja mais fácil, o adicto se livrar dos traumas que a dependência química trás quando ele consegue entrar em recuperação, do que algum dia o codependente superar todas as dores e sofrimentos que a codependencia e a adicção do seu ente querido deixou em sua vida!!
A alguns meses atras minha irmã teve uma recaída que desencadeou em outras series de recaídas e ela não aceitava internação, minha mãe tomou a decisão que segundo os grupos de ajuda, dizem ser a mais assertiva,visto que o adicto precisa ter perdas para querer realmente entrar em recuperação, a colocou para fora de casa, onde ela tinha todo conforto e regalias para ver se ela se rendia ajuda e pedisse ajuda para se recuperar...
Claro que minha mãe não teve a coragem de colocar ela diretamente na rua, sem nenhum respaldo, pagou uma pensão no centro da cidade para que ela ficasse.
Posso afirmar para vocês que desde então minha irmã piorou gradativamente, desde então tem se drogado todos os dias, completamente insana, agressiva, com crises horríveis de abstinência.
Minha mãe não aguentando mais tanto sofrimento entrou com pedido de uma internação involuntária gratuita, por não ter mais condições de pagar clínicas e tratamentos pelos quais minha irmã já passou por varias vezes. Além de todas as dívidas que contraiu para custear os tratamentos de minha irmã, ela teve que assumir as duas filhas que minha irmã abandonou por causa da doença. Pagou r$1.500,00 para o advogado agilizar o processo, para que conseguisse uma vaga social em alguma clínica...Isso pode levar até dois meses...
DOIS MESES...Quanta coisa pode acontecer em dois meses?????
Minha mãe ligou para varias clínicas e a resposta é sempre a mesma: Não temos vagas sociais...
E os direitos que nós temos por lei, de quando não se tem vagas no social a prefeitura é obrigada a liberar verba para pagar uma internação em clinica particular para o dependente químico??? (LEIA O POST ANTERIOR QUE FALA SOBRE ESTE ASSUNTO)
Devemos esperar nosso familiar morrer nas drogas para depois eles surgirem com a ''vaga''??
Quantas pessoas mais nós teremos que assistir morrer nas garras da adicção para que se mude esta situação??? Será que não se percebe que isto já virou uma epidemia em todo o mundo??
Infelizmente nem todos possuem condições financeiras para arcar com os gastos em uma clínica particular, principalmente involuntárias, que infelizmente sempre são muito caras...e neste ponto o familiar geralmente já gastou muito com tratamentos e internações anteriores na tentativa de livrar o dependente do vício.
Esta semana vim visitar minha mãe, e realmente não sei mais dizer como me sinto em relação a tudo isso... VIVA E DEIXE VIVER...... DESLIGAMENTO COM AMOR!!!!!!!!!!!!


A foto esta ruim, mas é neste lugar que encontrei minha irmã, neste lugar ela estava dormindo (quando dorme) quase nunca se alimenta, mal toma banho, e já vai para 3 meses que ela está vivendo na ativa e pelas ruas, praticamente se drogando 24 horas por dia, completamente entregue as drogas e sem mais forças pra nada, nem pra pedir ajuda, muito menos para querer entrar em recuperação.
Como uma mãe que carrega um filho na barriga durante 9 meses, da amor, carinho, ensina o caminho do bem, leva pra escola, passa noites acordadas quando o filho esta doente, fica feliz com cada conquista que o filho faça por menor que ela seja, como pode uma mãe viver e deixar o filho ''viver'' nestas condições?? Ou melhor dizendo, deixar o filho morrer nestas condições? 

Como praticar o desligamento com amor em uma situação destas?
Como explicar para as netas que a mãe esta vivendo nestas condições lastimáveis e se matando dia após dia porque temos que ficar esperando até que surja uma vaga para que ela possa finalmente ser tirada desta terrível condição?
Agora imagine a cabeça desta adolescente (filha de minha irmã) que vê a avó correndo o tempo todo atrás de clínicas e mais clínicas para tentar salvar a vida de sua mãe e ter que esperar não sei quanto tempo até que surja uma vaga?? Quais serão os traumas que esta menina carregará ao longo de sua vida por presenciar tantas situações tristes como esta?
Infelizmente a doença corre contra o tempo, e a cada dia que passa a situação somente se agrava.
Fico imaginando o quanto é difícil pra mim trilhar o caminho de recuperação da codependencia, tendo um marido adicto, imagine se eu tivesse um filho na adicção??? Preferia morrer para não ter que passar por tamanha dor.
Quando vi minha irmã naquele lugar horrível, com um monte de adictos usando drogas em condições sub-humanas,no meio do mato, naquele barraco sujo, cheios de carrapatos...Meu Deus!!!! Nem sei dizer o que senti.
Tentamos tirar ela de lá e levar ela para a pensão para que ela comesse e descansasse um pouco, mas foi em vão.
Quando ela nos viu, primeiro disse que já ia embora, estava toda confusa, estranha, em seguida ameaçou fugir, e quando minha mãe tentou pega-la ela escapou, até meu marido praticamente apanhou dela (não sei de onde surgiu tanta força) quando ele tentou pega-la até uma mordida na barriga dele ela deu...ele ta todo marcado.
Infelizmente é muio difícil você ver quem você ama se destruindo desta maneira e não poder fazer nada...Sei que somos impotentes, mas não aceito sentar e esperar a pessoa se matar na minha frente e eu não fazer nada, tudo tem um limite e alguma coisa eu creio que eu possa e deva fazer e não vou desistir.
Ao fundo do poço ela já chegou, ajuda ela não vai pedir porque a doença esta em estágio tão avançado que ela já não tem forças para deixar o vício.
E esperar surgir uma vaga??? Até quando?? Estamos falando de uma vida...tratasse de um caso de vida ou morte que deve ser dada a devida importância da maneira mais urgente possível.
Sei que mais uma vez, DEUS vai estar ao meu lado, como sempre esteve em todos estes anos, em todos os momentos difíceis que passei, tenho fé, que verei minha irmã bem novamente e em recuperação para que possamos viver muitos bons momentos na vida.
Sei que o mesmo Deus que esta comigo e com cada um de vocês, familiares de dependentes, adictos na ativa e em recuperação, também está com minha mãe e vai ajuda-la a enfrentar esta batalha e passar por este momento tão difícil de sua vida. Também esta com minha irmã e vai ser com ela como foi com a Fênix que renasceu das cinzas....EU TENHO FÉ!
Peço a todos vocês meus queridos(as) que sempre me deram tanta força e me ajudaram tanto, que orem por minha irmã e continuem orando por mim, por meu marido que não está usando drogas mas não esta limpo, pois tem bebido com frequência e não esta em recuperação, quer suprir a falta do crack usando o álcool...ou seja quer trocar uma droga pela outra!!! Cabeça de adicto é só Deus que entende...pretendo sim tomar providências o mais rápido possível para ajuda-lo, mas primeiramente vou tentar ajudar resolver o caso de minha irmã que hoje é muito mais grave.
Por enquanto a unica coisa que posso fazer é orar...

“Concedei-me, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar as que eu posso e sabedoria para distinguir uma da outra – vivendo um dia de cada vez, desfrutando um momento de cada vez, aceitando as dificuldades como um caminho para alcançar a paz, considerando o mundo pecador como ele é, e não como gostaria que ele fosse, confiando em Deus para endireitar todas as coisas para que eu possa ser moderadamente feliz nesta vida e sumamente feliz contigo na eternidade”.

Um ótimo domingo, e uma semana abençoada com muita paz e serenidade para todos nós!!!


AMO TODOS VOCÊS INCONDICIONALMENTE!!!




quarta-feira, 6 de novembro de 2013

INTERNAÇÃO INVOLUNTÁRIA GRATUITA...UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL!!



Boa tarde queridos(as)!!!!!
Estou passando por aqui apenas para falar sobre um assunto que muitas pessoas ,tem duvidas ,infelizmente a maioria de nós somos leigos no que diz respeito as leis de nosso país e não conhecemos nossos direitos...
A cada dia que passa vem se agravando esta doença tão devastadora que é a dependência química,infelizmente ela atinge todas as classes sociais,mas quando ela atinge familiares que tem menor poder aquisitivo, os familiares entram em desespero, principalmente quando se trata de internar o adicto da família em uma clinica involuntária, pois os valores são relativamente altos, tornando praticamente impossível a família conseguir internar o adicto que a esta altura esta totalmente debilitado.
A internação involuntária é dada aos casos onde fica comprovado que o grau de dependência do adicto é tão alto,que ele esteja em surtos, roubando e apresenta perigos contra a sociedade e contra própria vida, ou seja ele já não é mais capaz de responder pelos seus atos.
Esta semana recebi alguns emails de alguns familiares em desespero me perguntando sobre este assunto, Existe como internar o adicto em uma clinica involuntária gratuita???
Como sou novata e não entendo muito sobre o assunto pedi socorro para um grande amigo que faz um lindo trabalho dando palestras sobre Dependência Química e também faz Terapias com adictos e familiares de adictos, ele tem um amplo conhecimento sobre o que diz nossa lei sobre o assunto , meu amigo Junior do BLOG  http://limposporhoje.blogspot.com.br/.
     
Segue abaixo as informações sobre o que é necessário para internar um adicto gratuitamente em uma clinica involuntária...


Da responsabilidade Estatal. 
      

O Estado tem a obrigação constitucional de prover alguns direitos fundamentais, como vida, dignidade, saúde, lazer, etc.

Com base nessa tese, pode se buscar a internação compulsória de dependentes químicos na rede pública de saúde, ou, ainda, se não houver leito ou tratamento especializado para essa doença, o ente público deve prover essa necessidade, fornecendo recursos para que o drogadito seja internado em clínica particular.

São as chamadas ações de obrigação de fazer, em que um Advogado, técnico capaz de postular isso em juízo, pede essa internação do dependente.

Normalmente, quem ajuíza esse tipo de ação é a Defensoria Pública Estadual. São advogados do Estado, gratuitos e que têm a melhor capacidade técnica para resolver esses problemas jurídicos.

Porém, existem alguns problemas, óbvio. Ainda que essa ação judicial seja de exigir do Estado uma obrigação que é sua, é o próprio Estado que vai entrar com a ação contra ele mesmo. Quer dizer, é bem mais complicado que isso, por isso não convém se estender muito. Mas é bom que se tenha em mente que o processo pode demorar um pouco mais que a urgência do paciente, pois a carga de trabalho de um Defensor Público é quase desumana. A demanda é enorme e é necessário ter paciência e presteza. Também é necessário ser pessoa de poucos recursos financeiros, pois há um limite de renda para a assistência da Defensoria Pública, ainda que o Direito seja para todos. A limitação é questão de bom senso. Pessoas que têm condições de internar seu dependente em clínica particular não deve tirar a oportunidade de quem realmente necessita desse tipo de recurso judicial.
Haverá um responsável pela internação, e é importante que o viciado esteja em surto, roubando ou que esteja pondo em risco sua saúde ou de outros. Daí surge a urgência e o pedido da antecipação da tutela jurisdicional, ou seja, a intimação do Estado para que cumpra sua obrigação em 24 horas, sob pena de multa diária e de ser-lhe bloqueados valores que bastem para a internação em clínica particular, o que ocorre na maioria das vezes.

A FUNDAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE INTERNAÇÃO

Vamos à fundamentação jurídica do pedido de internação compulsória ou às expensas do Estado.

São muitos os dispositivos legais que fundamentam a internação dos adictos. O direito à vida é garantia constitucional, e a saúde é direito de todos e dever do Estado.

A saúde no Brasil é regida pelos princípios da universidade da cobertura e do atendimento, da igualdade de acesso às ações e serviços, da descentralização da gestão administrativa (art. 194 da CF) e da solidariedade financeira, pois é financiada pela sociedade como um todo, direta e indiretamente (art. 195 da CF). Portanto, faz jus o dependente ao recebimento GRATUITO, subsidiado pelo município onde mora, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, do atendimento adequado a seu quadro de saúde.

O direito do dependente está amparado na Constituição, no art. 6°, que diz: “São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência ao desamparo, na forma desta Constituição”.

Também versa o art. 23 que “é competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios:
(...)
II –Cuidar da saúde e a assistência Pública da proteção e garantia das pessoas portadoras de deficiências”.

O art. 196 diz que a “saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a sua promoção, proteção e recuperação”.

Da mesma forma, o art. 203 diz que “a assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição seguridade social, e tem por objetivos:
(...)
VI – A habilitação e a reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comunitária”.

No caso do Rio Grande do Sul, ainda temos na Constituição Estadual o seguinte artigo: Art. 241 - A saúde é um direito de todos e dever do Estado e do Município, através da sua promoção, proteção e recuperação.

Ainda, na Lei nº 8.080/90, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, e também trata da organização e do funcionamento dos serviços correspondentes, igualmente embasa o pedido de internação. Dispõe o art. 2º que “a saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício”.

Artigo 6º - Estão incluídas, ainda no campo de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS):
1 – a execução de ações:
(...)
d) de assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica;

Encontra-se respaldo nos artigos 11, 12 e 14 do Dec. 24.559/34, que dispõem:
“Art. 11. A internação de psicopatas, toxicômanos e intoxicados habituais, em estabelecimentos psiquiátricos, públicos ou particulares, será feita:
a)...
b) a pedido do próprio paciente ou por solicitação do cônjuge, pai ou filho ou parente de até 4ª grau, e, na sua falta...(...)
§2° Para a internação por solicitação de outros será exigida a prova da maioridade do requerente e de ter-se avistado com o internando há menos de 7 dias contados da data do requerimento.”
“Art. 12. Serão documentos exigidos para toda internação, salvo nos casos previstos neste decreto: atestado médico, que será dispensado somente quando se tratar de ordem judicial, o certificado de identidade do internando.”
“Art. 14. Nos casos urgentes, em que se tornar necessário, em benefício do paciente ou como medida de segurança pública, poderá ele ser recolhido, sem demora, a estabelecimento psiquiátrico, mediante simples atestação médica, em que se declare quais os distúrbios mentais justificativos da internação imediata”

A internação compulsória pode ser fundamentada no art. 9º da Lei n. 10.216/2001:
“Art. 9º. A internação compulsória é determinada, de acordo com a legislação vigente, pelo juiz competente, que levará em conta as condições de segurança do estabelecimento, quanto à salvaguarda do paciente, dos demais internados e funcionários”.

Como se observa, o Dec. n. 24.559/34 e a Lei 10.216/2001 são expressão do poder de polícia da Administração Pública. Caso em que, diante da necessidade da internação, o Poder Público pode, e deve, a requerimento dos familiares do internando, providenciar sua internação com fins de recuperá-lo, mas, principalmente, e este é o ponto que merece ser destacado, com o objetivo de proteger também a integridade das demais pessoas ao seu redor.

DO ENTENDIMENTO JURISPRUDENCIAL

Já é pacífico nos tribunais que a tese deve prosperar sempre. Nesse sentido, apenas para ilustrar, temos esse julgado:

CONSTITUCIONAL DIREITO À SAÚDE. DEVER DO ESTADO. Fenilcetonuria. (...) A Constituição, por acaso Lei Maior, é suficiente para constituir a obrigação. Em matéria tão relevante como a saúde descabem disputas menores sobre a legislação, muito menos sobre verbas, questão de prioridade. MSE 592140180 – 1º Grupo Cível – TJRGS – Relator Des. Milton dos Santos Martins.

- Do Pedido Liminar

Em diversos casos, impõe-se a imediata resposta jurisdicional, pois o dependente pode estar em surto, praticando algum delito ou causando risco para si e para outros.

Com base nisso, se pede a liminar, nos termos do art. 461, § 3º, do Código de Processo Civil. Postergar pode ocorrer sério risco de cometimento de dano irreparável, o que por si só, justifica e dá suficiente amparo à pretensão da tutela antecipada, nos termos do art. 273, inciso I, do Código de Processo Civil.

Considerando que na maioria dos casos não há leito disponível no SUS, a internação deve ser feita em leito particular, custeado na totalidade pelo Estado e pelo município onde mora o dependente, pois esses respondem subsidiariamente pela responsabilidade.

Geralmente o responsável pelo doente fica esperando a decisão, que deve sair em caráter de urgência, no átrio do Fórum. Também deve permanecer esperando para que possa conduzir o Oficial de Justiça até o drogatido, ou, se for preciso, da força policial também.

- Da Competência do Juízo

A vara em que correrão processos dessa natureza é a da Família, como se vê nesses julgamentos da Corte gaúcha:

“ESTADO DA PESSOA. PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA. TRATAMENTO PARA DEPENDENTE QUÍMICO. FIXAÇÃO DA COMPETÊNCIA DA VARA DE FAMÍLIA, AINDA QUE PRESENTE A FAZENDA PÚBLICA NO PÓLO PASSIVO DA AÇÃO. PRINCÍPIO DA ESPECIALIZAÇÃO. PRECEDENTES JURISPRUDENCIAIS. AGRAVO PROVIDO.” (AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 70038594685, 8ª CÂMARA CÍVEL, JULGADO EM 04.09.2010).

“CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA. DEMANDA EM QUE SE DISCUTE A CAPACIDADE E ESTADO DA PESSOA. COMPETÊNCIA DA VARA DE FAMÍLIA E SUCESSÕES. Tratando-se de demanda em que se discute o estado e a capacidade civil de paciente portador de transtorno psíquico, possuindo a internação compulsória natureza de interdição parcial e provisória, com a possibilidade de nomeação de administrador provisório, compete ao juízo especializado da Vara da Família e Sucessões o processamento e julgamento do feito. Precedentes. ACOLHERAM O CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA” (CC nº 70035615608, 7ª Câmara Cível, TJRS, Rel. Des. André Luiz Planella Villarinho, j 26/05/2010).

CONCLUSÃO

Pelo exposto, podemos ver que o Estado é obrigado a dar leito público a dependentes químicos, ou, ainda, custear seu tratamento da rede privada.

Recomendo que os interessados procurem a Defensoria Pública Estadual da cidade em que moram. O atendimento é difícil porque a demanda é enorme, mas sempre há uma oportunidade de restabelecer aquele cidadão dominado pelas drogas.

Esse tipo de medida força o Estado a criar novas maneiras de combate e prevenção da dependência química, ou, na pior das hipóteses, força para que ele promova uma melhora na rede pública de assistência à saúde dos dependentes.


BOM MEUS QUERIDOS(AS) ,ACREDITO QUE SE TODOS NÓS NOS UNIRMOS ,E LUTARMOS PELOS NOSSOS DIREITOS FUTURAMENTE PODEREMOS TER RESULTADOS POSITIVOS A RESPEITO DO TRATAMENTO DA DEPENDENCIA QUIMICA NO NOSSO PAÍS, O QUE O GOVERNO FAZ É MUITO POUCO, PERTO DA EPIDEMIA QUE SE ALASTRA CADA VEZ MAIS LEVANDO,NOSSOS JOVENS,FILHOS,ESPOSOS,AMIGOS,ETC...
VAMOS NOS UNIR E PROCURAR NOSSOS DIREITOS ,AFINAL SOMOS UMA GRANDE FAMÍLIA E LUTAMOS PELAS MESMAS CAUSAS...


QUERO AGRADECER EM ESPECIAL NOSSO COMPANHEIRO JUNIOR QUE ME PASSOU TODAS ESTAS INFORMAÇÕES , QUE TENHO CERTEZA QUE IRÁ AJUDAR MUITAS FAMILIAS QUE NESTE MOMENTO PROCURAM POR UMA MANEIRA DE INTERNAR SEUS ADICTOS EM CLINICAS INVOLUNTÁRIAS GRATUITAS ,MAS NÃO TEM CONDIÇOES...
OBRIGADO QUERIDO!!!!    TAMUJUNTU.


AMO TODOS VOCÊS INCONDICIONALMENTE...TAMUJUNTU 


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

ALTERAÇÕES DE PERSONALIDADE DE UM ADICTO!!!!


Alguns dos sintomas descritos abaixo mostra as alterações de personalidade apresentadas pelo dependente químico!! (QUANDO NÃO ESTÃO VIVENDO EM RECUPERAÇÃO!!!)
  • Dificuldade de enfrentar sentimentos: o dependente químico não consegue entrar em contato com seus sentimentos.
  • Distorção da realidade: Justifica os momentos de excesso, como conseqüência de problemas que os outros vem causando. Deturpa a realidade. Acredita que o hábito está ligado ao momento atual de vida. 
  • Negação: a negação é o maior obstáculo a ser superado, quando diante do problema da dependência química . A negação aparece no usuário, na família, entre os amigos e até mesmo no ambiente de trabalho. Todos se negam a ver o problema, principalmente o dependente, quando este surge e inventam desculpas para o comportamento anti-social que a pessoa passa a apresentar. Só quando superada a negação, é que se torna possível atuar de forma eficaz sobre o problema do abuso de drogas.
  • Falta de limites:o dependente químico admite saber seu limite de consumo e de que pode parar quando quiser, colocando os prejuízos num futuro muito distante, que não o atingirá. Existe uma tendência a minimizar o uso. 
  • Imaturidade: o dependente químico precisa da droga de acordo com o seu desejo, ela é possuidora de um poder mágico de suprir todas as necessidades, projeta na droga a imagem idealizada.
  • Infantilidade: Por alguma razão, o desenvolvimento emocional do dependente químico estaciona na época em que fez uso pela primeira vez. Apesar dos anos passarem, das pessoas envelhecerem e do mundo girar, o dependente químico sempre continua naquele estado emocional infantil, egoísta, em busca de prazer e reclamando do mundo e de todos esperando apenas a morte e cheio de sonhos irreais, que o levam cada vez mais para longe da realidade. 
  • Depressão: as alterações do cérebro, em decorrência de danos causados pelo químico, podem determinar quadros de depressão na dependência química. O mecanismo da drogadicção se encontra na encruzilhada entre a impotência e a depressão, de onde se origina um comportamento impulsivo de ingestão de dada substância, enquanto “droga eleita”.
  • Intolerância a dor: O dependente químico é intolerante ao sofrimento, a dor. O uso de drogas produz um alto nível de auto-estima, mas como não é uma conquista real e sim imaginária, quando passa o efeito a depressão que vem possui características cada vez mais devastadoras para o ego.
  • Megalomania: como o dependente químico vive num mundo irreal, distorcido, seus projetos costumam ser grandiosos e tal como seu mundo completamente irreal. Modificar-se ou modificar a realidade requer tempo, esforço e muitas outras condições. Fazê-lo na fantasia é fácil, imediato e só requer esforços insignificantes. A megalomania é justamente um transtorno psicológico no qual o doente tem ilusões de grandeza, poder e superioridade.Também se caracteriza pela obsessão em realizar feitos e atos grandiosos. 
  • Angústia: um dos efeitos da droga é o de diminuir, em certas pessoas, os estados de angústia ou depressão, enquanto que em outras os intensifica perigosamente. A droga tem a finalidade, para o dependente, de eliminar a angústia da frustração.
  • Carência afetiva: o dependente químico tem uma necessidade inesgotável de amor e aprovação, é hipersensível a críticas e lhe falta confiança em si mesmo. Possui uma dependência afetiva exacerbada. 
  • Dificuldade em aceitar o NÃO: tem problemas para aceitar, sem conflitos, os fatos, situações ou comportamentos que estejam fora das próprias expectativas ou desejo. Não consegue lidar com o NÃO, ou com resultados inesperados.
  • Satisfação imediata: o dependente químico quer a satisfação imediata do desejo, está sempre sob um sentimento de urgência.
  • Onipotência: o dependente químico se considera invulnerável e imortal. Vive a fantasia grandiosa de vencer a finitude. 
  • Desonestidade: O dependente químico mente no trabalho, em casa e com amigos. Dá sempre desculpas para não fazer o que precisa, ou fazer o que sabe que não deve. A mentira é um dos primeiros prejuízos relacionais provocados pela droga. O dependente químico vai perdendo gradativamente os valores éticos e morais. 
  • Inadequação: há muita dificuldade de relacionamento social e familiar, com isso, o adicto passa a um isolamento e a um mal-estar vivenciado na relação com as pessoas. 
  • Manipulação: esta é a grande arte e habilidade do dependente químico, que tem como objetivo defender e continuar sua dependência. Para isto utiliza várias formas de manipulação: racionalização, responsabilização de terceiros, negação, minimização, rigidez mental, pressões e ameaças.
  • Compulsão:o que caracteriza um dependente químico é a compulsão, ou seja, um desejo incontrolável de usar a substância”. O adicto tem muita dificuldade para controlar o consumo e, com isso, há um aumento na tolerância a drogas.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

APENAS MAIS UM DESABAFO...

Desde pequenos aprendemos em tudo, a planejarmos o nosso futuro, faz parte da nossa criação.
Começamos aprendendo na escola, quando estudamos planejando futuramente termos uma profissão.
Alguns querem ser médicos, outros advogados, professores...
Enfim, cada um sonha com seu futuro e colocam metas em suas vidas para atingir seus ideais. Planejamos se iremos casar ou não, se iremos ter filhos e quantos filhos iremos ter, planejamos uma série de coisas em nossas vidas.
As vezes nem tudo sai da maneira que planejamos, mas o fato é, que todo ser humano planeja sim seu futuro, tem seus sonhos, e almeja atingir suas metas e seus ideais... 
Quando me casei, também tinha muitos sonhos e planejava muitas coisas em nossas vidas. Por causa da dependência química de meu esposo, vi cada um desses sonhos desmoronando com o passar dos anos.
Assim como um castelo de areia ao vento...
Frustração!!! 
Vivi durante anos planejando um futuro, criando expectativas e a cada recaída, tinha que recomeçar do zero.
Vocês sabem bem como isso é difícil, é muito triste você viver se frustrando por ter que abrir mão de seus sonhos, mudar aspectos de sua vida e principalmente não poder planejar um futuro. Pois, quando você convive com um dependente químico, é tudo muito instável.
 Passamos por períodos bons, e de repente quando menos esperamos vem as tempestades, nunca sabemos quando a ''recaída'' pode acontecer, as vezes está tudo as mil maravilhas e do nada a recaída acontece, não existe motivos, porquês, nem culpados... 
Por isso para nossa sobrevivência, temos que aprender a viver um dia de cada vez, o SÓ POR HOJE...
 É muito difícil você se adaptar á viver desta maneira, mas é preciso.
É preciso não criar expectativas, pois certamente se assim o fizermos nos frustraremos... Planejava e sonhava em ter 2 ou 3 filhos, mas quando tive minha filha e meu marido começou a usar drogas, abri mão do meu sonho, pois não queria ter mais um filho criado em um ambiente tão transtornado e caótico, que é um lar com um adicto na ativa. Tenho certeza de que foi uma sábia decisão de minha parte, pois minha filha cresceu com muitos traumas e tem depressão até hoje por causa da adicção do pai, é uma série de fatores que desinstabilizam qualquer adulto, quem dirá uma criança...
Preconceito da sociedade, dos amigos, medos, incertezas, internações, ausências, discussões, alterações de humor, crises de abstinência, etc... 
Este são apenas alguns problemas que enfrentamos no dia a dia quando convivemos com um adicto na ativa. Se nós quase enlouquecemos, imaginem as crianças??? 
Nunca entendi bem o porque, mas justamente nos momentos mais difíceis de minha vida, sempre estou sozinha. Meu esposo sempre recai quando algo realmente sério acontece, e sempre acaba sobrando tudo para mim, e esta sobrecarga muitas vezes tem me causado um esgotamento tanto físico quanto mental, onde ele está quando eu mais preciso dele??
Quantas vezes vocês já não se fizeram esta mesma pergunta?? 
Talvez pelo fato do adicto não saber bem lidar com as frustrações e a realidade a válvula de escape são as drogas. Por isso nos momentos difíceis da vida, ao invés de enfrentar como todos nós faríamos, o adicto prefere se refugiar nas drogas, e quem sempre acaba tendo que resolver todos os problemas somos nós, os codependentes. 
Depois de todos estes anos e de tudo o que passei, tenho certeza de que Deus está comigo, pois estou em pé apesar das dificuldades e dos momentos difíceis pelos quais estou passando. Hoje estou sozinha com os problemas, ou melhor, DEUS está comigo.
Meu marido recaiu quando ficou sabendo da situação e não teve coragem e estrutura para enfrentar de cara limpa, mais uma vez escolheu se refugiar nas drogas... 
Infelizmente EU não posso fazer nada por ele, pois ele é o único responsável por suas escolhas, a mim só cabe cuidar de minha vida e da vida de minha filha que é minha única responsabilidade.
Por ele só posso continuar orando para que um milagre ocorra e ele queira entrar realmente em recuperação, para que ele realmente se renda de uma vez por todas. Tenho certeza que mais uma vez Deus vai estar do meu lado como sempre esteve, para que possa me conduzir da melhor maneira e que eu possa enfrentar esta situação e mais uma vez dar a volta por cima. Minha filha e eu estamos tristes, mas não perdemos nossa serenidade, nem cometemos mais as insanidades que cometíamos antes, quando nem ao menos sabíamos o que era ''codependencia''... 
 Mudamos muito nossa postura perante a adicção do meu esposo e hoje dificilmente ele nos manipula.
Não facilitamos a vida dele em nada quando ele tem uma recaída, e deixamos que ele arque com a consequência dos próprios erros. Mesmo diante de nossa melhora, sabemos que temos um caminho eterno de recuperação da codependencia, sei que temos muito que aprender e mudar. Antes de ontem (28 de outubro) foi o dia que ele recaiu, neste mesmo dia a 18 anos atrás estávamos nos casando...
Foi nosso aniversário de casamento, e mais uma vez ele preferiu as drogas...
Neste mesmo dia eu estava enfrentando um momento difícil com minha filha que estava internada no hospital e ele nos deixou sozinhas...
A 20 anos atrás não era esse o futuro que havia sonhado para mim, me casei para ter um companheiro, e foi assim nos primeiros 4 anos, faz 19 que estamos juntos, 15 anos que ele conheceu o CRACK. Tivemos muitos bons momentos, mas começo a pesar e ver que infelizmente a doença fez com que os maus momentos conseguissem superar os bons...Isso não deve ser nada bom... Queria poder não pensar, mas infelizmente as vezes não consigo deixar de pensar e me questionar, como será minha vida daqui a alguns anos?? como será meu futuro se ele continuar vivendo de escolhas erradas e não tomar uma decisão? e se ele não conseguir?? Só queria poder acreditar que um dia tudo isso possa melhorar, sei que nunca mais será perfeito, nem tenho esta pretensão, só queria uma melhora real, precisava desabafar, pois fiquei muito magoada... 
 OBRIGADO POR VOCÊS EXISTIREM, POR ME OUVIREM, OBRIGADO POR TUDO, VOCÊS SÃO COMO MINHA FAMÍLIA!!!! AMO VOCÊS INCONDICIONALMENTE!