quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Codependencia, insegurança ou medo?



Olá meus queridos!!!

Graças a Deus aqui em casa tudo permanece em paz desde que meu familiar adicto fez o tratamento com a ibogaína.

Hoje fazem 66 dias que ele está limpo e em recuperação. Agradeço a Deus por cada momento de sobriedade.
Ele segue a vida trabalhando e fazendo as terapias dando continuidade ao tratamento.
Ele também tem praticado exercícios e buscado a espiritualidade 3 vezes por semana.
Enfim, ele está super bem e em recuperação e segue com sua vida normalmente.
E por mais incrível que pareça, eu não estou em paz. O problema agora parece ser comigo, acredito que por ter vivenciado muitos traumas ao longo destes mais de 15 anos, não consigo estar plenamente em paz, apesar de tudo estar bem.
Quando o ano vai acabando e chegamos perto do natal e ano novo, vai me dando uma tristeza, uma insegurança, uma angustia... Fico relembrando todos episódios tristes que eu e minha filha passamos nestas datas festivas com a adicção ativa de meu familiar.
Por mais que a gente tente e procure estar em recuperação, não conseguimos nos livrar deste sentimento de medo e insegurança. Parece que sempre esperamos o pior acontecer.
Parece um pesadelo. Da vontade de nos isolarmos do mundo.
A codependencia nos causam sequelas as vezes irreversíveis.
É triste viver assim mesmo quando tudo esta em paz.
Na casa de minha família todos bebem, pude perceber que acabei me afastando de minha família por causa de meus medos e traumas.

Na minha cabeça eu evitando pessoas e lugares, estarei protegendo meu familiar de uma possivel recaída.
Mas sabemos que não é assim, não temos o controle sobre a vida de terceiros, e muito menos conseguimos evitar as tão temidas recaídas agindo desta forma.
A única coisa que tenho conseguido agindo desta forma, é me afastar de meus amigos e familiares.
E isto me deixa profundamente deprimida. Não gostaria de me sentir assim. Mas parece que não consigo evitar estes sentimentos.
Este mês foi nosso aniversario de 19 anos de casamento, meu esposo me chamou para jantarmos fora e eu não quis. Eu evito ao máximo sair de casa, parece que vivo tentando me isolar do mundo, colocando meu familiar em uma redoma de vidro para sua ''suposta'' proteção.

Por mais que eu tente mudar o foco de meus pensamentos e tente ocupar a mente com coisas saudáveis, o fantasma do passado parece viver me assombrando.
Esta época, era para ser de alegria e comemorações, a maioria das famílias se reúnem para se alegrar  comemorarem juntos o natal e a passagem de ano.
Infelizmente eu não consigo me sentir feliz nesta época, na realidade meu desejo é que passássemos diretamente de novembro para março depois do carnaval.
Carnaval é outro feriado que gostaria de abolir de minha vida.
Sei que não é saudável se sentir desta forma e estou consciente que preciso muito de tratamento psicológicos para deixar de ter estes traumas.
As vezes pensamos que com nossos adictos em recuperação, nossas vidas voltam a normalidade e poderemos viver felizes e em paz.
Não é tão fácil assim. A codependencia também é uma doença progressiva que necessita de eterna recuperação. Por isso nós familiares precisamos muito buscar nossa recuperação para que possamos viver uma vida Harmonica de paz.
Muitas pessoas não veem a codependencia como uma doença grave, que pode causar sérios danos a saúde do familiar adicto, muitos pensam que o ''problema'' esta somente no uso de drogas abusivo do ente querido, mas não é assim. A família adoece tanto quanto o adicto nesta problemática da adicção.
Se não nos cuidarmos, além de atrapalhar a recuperação de nossos familiares,  podemos ficar extremamente doentes e depressivos.
Continuarei buscando e lutando dia após dia pela minha recuperação.
Espero sinceramente um dia, não ter mais estes sentimentos ruins e poder desfrutar de uma paz verdadeira, espero que meu coração encontre a paz.
Apesar destes sentimentos que não posso evitar, agradeço a Deus por tudo estar em paz em meu lar.
Família, vamos nos amar mais, vamos nos colocar em primeiro lugar e nos cuidar, pois somente assim poderemos ajudar nossos familiares com assertividade.
A codependencia, também é incurável, progressiva e fatal se não for paralisada.
Mas assim como para o adicto, depende de nós a nossa recuperação e vivermos em paz.
Busquemos os grupos de ajuda e se necessário até ajuda psicológica.
Vale a pena cuidarmos de nós e de nosso bem estar e saúde. Não basta somente o adicto estar em recuperação, o familiar também precisa estar.


Mudando um pouco de assunto, o tratamento com a ibogaína tem sido cada vez mais divulgado pela mídia devido ao sucesso do índice de recuperação que chega até 80%.
Muitas pessoas se animam muito quando veem o sucesso do tratamento na grande maioria dos casos.
Gostaria de ressaltar que a ibogaína não é um milagre, muito menos a cura da ADICÇÃO.
A ibogaína é uma ferramenta a mais no auxilio a recuperação da dependência química. 
Vale a pena lembrar, que para fazer o tratamento o adicto tem que ter o real desejo de entrar em recuperação e parar com o uso da droga. Se o adicto não se comprometer a viver em recuperação após o uso da ibogaína, infelizmente o tratamento não obterá o sucesso desejado.
Tudo depende do ''querer'' do adicto.
Após o tratamento recomenda-se fazer terapias periodicamente para tratar o ''comportamento'' que leva o uso da droga na doença da adicção.
Se não houver a mudança de comportamento, dificilmente o adicto conseguirá viver em recuperação.
A adicção é uma doença muito complexa, e o uso de drogas é somente a cereja do bolo.
Fiquei sabendo de dois casos de pessoas que fizeram o tratamento com a ibogaína e logo depois voltaram a fazer o uso de drogas...
Isto mostra claramente que se o adicto não se comprometer com a recuperação, evitando lugares, hábitos e pessoas do tempo da ativa, de nada adiantara ter gasto tempo e dinheiro para fazer o tratamento.
Alguns adictos precisam ser mais conscientes de que a adicção é uma doença incurável e  não existe milagre, precisam levar a recuperação a sério e parar de brincar com a doença, que é o mesmo que brincar com a própria vida.
Por isso ressalto a minha opinião mais uma vez, se não houver acompanhamento com terapias para tratar a mudança de comportamento, que é a origem da doença, de nada adianta fazer o tratamento com a ibogaína, nem nenhum outro tipo de tratamento.
Muitas pessoas tem me mandado emails e mensagens procurado saber sobre o tratamento que meu familiar fez com a ibogaína, tenho procurado responder o mais rápido que posso.
Qualquer dúvida, me chamem no Facebook  para conversarmos melhor.
Amo todos vocês incondicionalmente.

Muita paz e serenidade a todos nós...

4 comentários:

  1. Eu me vi em você!!! Meu companheiro esta limpo e em recuperação , mas não me lembro desses 9 anos de casada quando tive um natal legal.
    Este ano eu me propus a ter um natal que eu mereço.sei o quanto e dificil apesar de fazer terapia com psicologa,terapeuta e reuniões. tamo junta amiga

    ResponderExcluir
  2. tenho esta mesma sensação qdo se aproxima o final do ano...Lu, você poderia por favor me passar informações por email de onde vc fez o tratamento com a Ibogaina? kaheitz@hotmail.com
    Fica em paz!

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de informações sobre o tratamento com a ibogaína, aonde consigo fazer e o valor... Preciso urgente... Tamo junto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcela, entre em contato comigo pelo email; lucianamarcelin@gmail.com
      bjs

      Excluir