domingo, 9 de fevereiro de 2014

DIAS DE LUTA, DIAS DE GLÓRIA...DESABAFO

Olá meus queridos!!!
Bem meus amigos comigo as coisas estão oscilando...
Hoje particularmente não estou em um bom dia, meu marido esta no uso.
Não digo mais que ele recaiu ou está recaído, pois vejo a recaída da seguinte forma: Quando a pessoa esta limpa por um certo tempo( meses ou anos) em ''recuperação'' e recai.
Isto pra mim é uma recaída, não é o caso de meu marido que infelizmente depois de tantos anos nem aceitou o primeiro passo, ou seja ele vive na ativa.
Apesar de não fazer o uso da droga de sua preferência com frequência (crack), ele tem consegue ficar alguns meses sem o uso, mas continua fazendo o uso de outra droga que no caso dele é trocar 6 por meia duzia, ''o álcool''.
Embora muitas pessoas não considerem o Álcool uma droga, e algumas até consigam beber socialmente, o Álcool é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde como uma das drogas que mais matam e viciam no mundo, sem contar inúmeros lares que são desfeitos por causa deste vício, inúmeras mortes no transito causadas pela irresponsabilidade de motoristas bêbados.
Apesar de não ser adicta e de nunca ter usado drogas, sempre convivi desde minha infância ao lado de pessoas alcoolistas, meu pai e meu tio eram alcoólatras.
Lembro-me de todo sofrimento que passei em minha infância, de todas surras que levei sem motivo algum, das humilhações que meu pai me fazia passar em público, das noites que ainda criança dormi na rua por causa de suas bebedeiras.
Não me lembro de ter tido uma infância feliz, via meus amiguinhos brincarem nas ruas, todos em paz com seus irmãozinhos e suas famílias ''normais'' e me perguntava: Porque minha vida tem que ser assim??
Lembro-me do desespero de minha vózinha que jogava fora todas garrafas de bebida que meu pai comprava, e substituía por água. Como se ele não fosse perceber...Lembro-me de quantas surras levei por causa disto.
Quando minha avó morreu, lembro-me do pavor que tive de pensar em morar sozinha com meu pai, pensava: se com minha avó, minha vida já era um inferno, imagine eu sozinha com ele.
Sai de casa com 17 anos e meses depois conheci meu esposo, nos primeiros anos tudo foi perfeito, até que ele se tornou dependente do crack e do álcool...




Hoje estou aqui com 36 anos , temos uma filha de 17, várias internações, vários tratamentos, períodos de sobriedade, períodos de ativa, momentos de paz, momentos de guerra, momentos de amor, momentos de mágoa, momentos de alegria, momentos de tristeza...

Realmente conviver com um adicto é como andar em um carrinho de montanha russa, hora estamos lá em cima de repente despencamos...
A adicção e a codependencia são doenças muito parecidas e ambas perigosas se não forem tratadas, tanto o adicto como o familiar codependente tem que estar em tratamento para se ter um lar harmônico.
Não tenha a ilusão de que se o adicto estiver limpo a vida será um mar de rosas, as vezes mesmo em recuperação, alguns deles não perdem os comportamentos adictivos, e continuam com suas manias e querendo ser o centro das atenções por muitos anos.
No meu caso, pra mim o mais difícil de suportar nestes 15 anos de adicção, não são as recaídas por incrível que pareça...
Difícil é suportar conviver com as crises de ''abstinência'',o egoísmo sem limites, a irresponsabilidade, ímpetos de fúria, ataques de grosserias, humilhações, e tudo sem motivo, ou por motivos insignificantes.
As vezes ele me sobrecarrega tanto com este comportamento, que (peço perdão a Deus) já cheguei a desejar que ele tivesse uma recaída e ficasse alguns dias pela rua, só para nós termos um pouco de paz. ( a que ponto a doença nos transtorna)
A negação por parte dele, é a pior parte da doença, ele admite que é dependente químico (quando lhe é conveniente), mas não acha que é alcoólatra e acredita que de vez em quando pode tomar aquela inocente cervejinha...
Ele já bateu 100000000000000000000000 de vezes nesta tecla e ainda não entendeu, ou ''finge não entender'', que ele é um dependente cruzado e que se ele tomar o primeiro gole, beberá compulsivamente, e certamente mais cedo ou mais tarde recairá. Com isso, ele já perdeu amigos, se humilhou, foi humilhado, perdeu o respeito das pessoas, a confiança, sofreu preconceitos, perdeu a admiração e o carinho da esposa, perdeu o respeito da filha, perdeu empregos, o amor próprio, sem contar nos prejuízos materiais, mas a cegueira que a doença causa o faz continuar a repetir os mesmos comportamentos insanos.
Com suas recaídas a família inteira sofre, pois a adicção não prejudica somente o adicto, mas todos que estão em sua volta.
Eu já nem falo mais sobre este assunto com ele, mas também não sou conivente com que ele faça o uso da bebida, ele sabe que me oponho e por isso estamos separados alguns meses, moramos juntos, mas estamos separados.
Decidi que não posso tolerar mais isso e tomei esta decisão, eu o respeito como meu marido, mas tomei a decisão que enquanto ele realmente não entrar em recuperação e se manter limpo, não quero esta vida para mim.
Como todo bom adicto, manipulador e cheio das chantagens, ele me culpa pelas recaídas...
Diz que não tem esposa, que eu o desprezo, que não o amo mais e por isso ele bebe e acaba recaindo.(pura manipulação)
A pressão psicológica é uma das piores torturas sob a qual se pode viver. Me sinto aprisionada a esta relação e nem eu sei o motivo.
Amo meu marido, mas não estou amando a pessoa que ele está sendo, Não se sente desejo e admiração por uma pessoa que não se ama, não se valoriza. A chave da minha prisão está comigo, depende somente de mim, para me soltar, ficar livre, enquanto eu me permitir viver assim ninguém poderá fazer nada por mim. Não sei explicar o porque, mas sinto ainda que devo continuar aqui por mais um tempo.
A parte mais difícil de tudo isso é a intolerância de minha filha com o pai, sei que ele a ama assim como ela o ama, mas o relacionamento dos dois é muito conturbado, e em nenhum momento posso tirar a razão de minha filha, que cresceu neste ambiente hostil presenciando o pai na ativa por vários períodos de sua infância e adolescência, sei que estas sequelas serão irreversíveis, até hoje minha filha é depressiva, fui uma mãe omissa por causa da minha codependencia, e por este motivo agradeço a Deus pela decisão de não ter tido mais filhos, para que não crescessem nestas condições traumáticas.
Graças a Deus posso dizer que apesar de tudo estou bem, na medida do possível, estou procurando pensar em mim, em minha filha...Ele? entreguei nas mãos do Poder Superior. Não choro, não me descabelo, não vou atrás, não ponho minha vida em risco como antes indo a biqueiras, não perco noites de sono, não deixo de me alimentar, não pago dívidas de drogas, enfim, não facilito a vida dele em nada quando ele está no uso.
Sei bem que não Causei a adicção dele, não posso Cura-lo e não tenho Culpa pela doença...
Estou engatinhando em meu processo de recuperação e aprendo muito com todos vocês queridos amigos do blog e do face.
Em vocês, encontrei uma nova família, amigos do coração. Existe algo que no auge de minha codependencia e da adicção de meu marido acabei perdendo ou deixando de lado...''Minha família''. Acabei me isolando, por causa da codependencia, por vergonha da situação, por medo do preconceito (que enfrentamos quase sempre), por querer ser auto suficiente e resolver todos os problemas sozinhas (como se eu pudesse), por não querer expor meus problemas, por não querer pedir ajuda...enfim, me afastei daqueles que amo, mas vou carregar para sempre em meu coração.
Talvez minha família nunca entenda meus motivos, a razão deste afastamento, mas queria que soubessem que amo cada um deles e estão sempre em minhas orações, principalmente uma pessoa muito querida a qual eu amo muito que fez parte de minha infância, uma tia que considero como mãe.
Minha aparente frieza e isolamento, não é falta de amor,(me transformei em uma pessoa muito calada e introvertida) Eu amo todos vocês de todo coração.
A convivência com um adicto,toda esta problemática que a dependência química nos trás, principalmente quando eles não estão no propósito de recuperação, deixa nós familiares com uma vida desregrada e conturbada, muita vezes nos falta a paz e serenidade, por mais que lutemos para busca-la.
Sinto falta de coisas em minha vida que ficaram perdidas no passado e não sei mais se conseguirei recuperar...
Quanto a mim, continuo buscando com todas minhas forças minha recuperação, para não voltar ao fundo do poço onde estava a algum tempo atrás. Conto com a ajuda de vocês para isso.
Sei que dia após dia tenho progredido gotinha por gotinha em minha recuperação, sei que um dia posso ter minha vida de volta e acredito que dias melhores virão.
Cuidem-se queridas(os), pensem em vocês em primeiro lugar, para isso tem os grupos de ajuda, sozinhos não conseguimos...AMO TODOS VOCÊS INCONDICIONALMENTE.
Obrigado por me ouvirem e pela vida de cada um de vocês!!!

10 comentários:

  1. Você é uma heroína. Rogo a Deus Paz com Serenidade e Sabedoria.

    ResponderExcluir
  2. Me identifiquei com algumas de suas palavras, sei o quanto é dificil, mais que o poder superior nos de serenidade e principalmente forças para continuarmos nossas batalhas do dia a dia. Grande bjo Querida que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Até então sabia o quanto fiz sofrer todos os meus9mãe,pai,parentes,amigos e etc)como alcolismo,mas,hoje tomei conscincia maior ,dos estragos que fiz.Voce úm ser decidida,corajosa e determinada ao enfrentar todos os maleficios causados por outrem.oro e peço ao Poder Superior para dar forças ,serenidade e paz por suportar tudo isso,com uma altives ,que chega a surprender qualquer ser mortal..Deixo-lhe o meu abraço e desejos de infinitas serenidades.

    ResponderExcluir
  5. você é uma guerreira,Deus vai te dar dias de gloria tenha fé,pois ele está vendo lutar e suas bênçãos estão bem próximas.Tenha certeza disso.

    ResponderExcluir
  6. não desista nunca minha irmãzinha; eu vivo os dois lados da moeda. sou um adicto em recuperação a 14 anos, e tenho um filho de 30 anos que parece só agora esta tomando um rumo em sua vida. mas nunca me culpei pelas ações dele em relação as drogas e alcool. porem nunca o abandonei quando me pediu ajuda... vivo só um dia de cada vez se não a mente não acompanha; o só por hoje... abraços e a felicidade a de residir em sua vida sedo ou mais tarde

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde amiga me identifico,nesse final de semana entrei em panico,pois sou muito doente uma co dependente que sofre muito,estou buscando ajuda em um grupo,porem ainda é muito dificil acredito num poder superior sei que ele nos dara a paz que tanto procuramos tmj

    ResponderExcluir
  8. Adorei ,parabéns Luciana.....muito obrigada.bjs ,serenas 24horas.

    ResponderExcluir
  9. Continue na Luta, percistência e glória Guerreira......Tmj.....

    ResponderExcluir
  10. VOCE UMA GUERREIRA E DEUS E CONTIGO .

    ResponderExcluir